Inútil

“Poesia é a virtude do inútil. Porque o inútil só presta pra isso mesmo, pra poesia, não presta pra mais nada não. É como um traste, uma coisa inútil mesmo, que está jogado por ai e tal”.

“poesia é uma coisa que a gente não descreve, poesia a gente descobre, a gente acha. Eu sou procurado pelas palavras, não tenho inspiração. Eu sou excitado por uma palavra, ela me excita, ela se apaixona por mim, as amigas que ela tem ai pelo mundo se encontram pelo cheiro pra desabrochar num poema e desabrocha em mim”.

Manoel de Barros

Anúncios

Completo

 Ando muito completo de vazios.

Meu órgão de morrer me predomina.

Estou sem eternidades.

Não posso mais saber quando amanheço ontem.

Está rengo de mim o amanhecer.

Ouço o tamanho oblíquo de uma folha.

Atrás do ocaso fervem os insetos.

Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu destino.

Essas coisas me mudam para cisco.

A minha independência tem algemas.

Manoel de Barros