Aflição

Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.
Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.

Hilda Hilst

Poesia I

gelo-e-flor.jpg

Corroendo
As grandes escadas
Da minha alma.
Água. Como te chamas?
          Tempo.

Vivida antes
Revestida de laca
Minha alma tosca
Se desfazendo.
Como te chamas?
          Tempo.

Águas corroendo
Caras, coração
Todas as cordas do sentimento.
Como te chamas?
          Tempo.

Irreconhecível
Me procuro lenta
Nos teus escuros.
Como te chamas, breu?
          Tempo.

 

Hilda Hilst